segunda-feira, 27 de outubro de 2008

A Noite - II

Aquele Pipo só me fode, pensava eu enquanto descia uma calçada íngreme e molhada. Doíam-me a ponta dos pés dos sapatos me apertarem quando estou a descer. Raisparta os sapatinhos de ponta... o meu pai tinha a mania que era finório...era outro cabrão também, isso é que era.

A luz dos candeeiros continuava a fazer sobras esquisitas que me fazia estar atento, mesmo quando só pensava nos gajos... Cabrões os dois, era juntá-los e foder-lhes a boca. Aquele Pipo só me leva pra asneirada. Boi de merda, palmou um telemóvel na mudança que fizemos a semana passada mas fui eu a bater com os costados na esquadra a aturar o boi do Sargento Pires. Teve sorte de eu não o bufar, isso é que foi. Não é que merecesse, pois o cabrão já me tinha denunciado quando gamamos um audi para ir às meninas na barragem. Tive sorte foi que nunca me acusaram. Paneleiro.

Desviei-me de uns caixotes do lixo, destes novos, pra reciclar ou sei lá o quê. Reparo que um dos caixotes, o azul, é mais pequeno que os outros, e tem marcas de queimado no chão. Devem ter pegado fogo ao anterior que ficava naquele lugar. O do lado, o verde, que serve para por as minis e outras cenas de vidro estava meio torto e derreado. Pensei para mim nesta juventude rasca e estes putos só fazem merda...acabam-lhes as pilhas às consolas e vêm para a rua da cabo de tudo...

Lembrei das putas de à bocado e fiquei excitado. Se calhar era mais bem gasto o dinheiro com elas, embora parecessem ja acabaditas e enrugadas. Davam menos trabalho que engatar uma chavala. E era mais rápido. Ia-mos para a Pensão São Teutónio e estava feito. Truz, truz catrapuz. Cinco euros para pensão, que é fixe e limpa, deve ser por ter nome de santo e o dono ser um gayzola de primeira. Trinta euritos pra gaja e lá esvaziava o cofre e saia satisfeito. É uma ideia, mas prefiro o engate.

Não que me fique mais barato...mas na caça é que está o ganho. Primeiro a gaja vai estranhar e olhar para mim de lado a pensar "o que é que este cromo quer?", mas mais uns copos e uma letrazita e a chavala vai estar na minha. Pode ser que tenha carro e assim escuso de perder tempo a tentar ir para casa dela ou de a ir comer para a praia. Tenho de pensar num plano ou uma historita pra lhes dar a volta e elas pensarem que sou um finório cheio de nota e me queiram levar pro saco. Acho que vou ser estudante de medicina que esta a pensar sair do curso para ir um ano pros states para ver se me encontro. Caem sempre nesta.

Começa a chuviscar e ainda estou longe da ribeira. Se piorar ainda chego lá pior que um pinto. Faço contas e acho que posso apanhar um taxizito que ainda me sobram uns cobres...

1 comentário:

Trek disse...

O man nunca mais molha o pincel...

Espero pelo próximo capítulo...