quinta-feira, 10 de julho de 2008

Todo para ti

Chego cansado de uma jornada incessante,
O mundo escuro pesa nos meus ombros desanimados
Procuro-te ansioso para um beijo revigorante
No ar flutuam mil odores perfumados

Cheguei... estou aqui.. todo para ti...

Esperas por mim, lasciva e quente,
Pensamentos pecaminosos, num estado febril,
Olhas para mim faminta e ardente
Queres o meu corpo, com sensações mil...

Cheguei... todo para ti...

Encontro-te num lençol carmim
Jocosa e desafiante, não olhas para mim
O desejo nasce e cresce, num rodopio sem fim
Tu e eu nus, corpos num frenesim

Todo para ti...

Uso o teu corpo quente para meu prazer
Tiras tu de mim o teu orgasmo devido
Beijo-te e toco-te e levo-te a desfalecer
Em mim ficas numa comunhão sem sentido

Para ti...

4 comentários:

Anónimo disse...

Estou a tua espera...

P.S. Alcoforado disse...

Obrigado pelo teu comentário! É um gosto pela escrita que todos partilhamos...o Poemas sem Rimas é na totalidade uma experiência pessoal (e sem dúvida transmissível, fazendo eco das tuas palavras), que ilustra bem essa 'facilidade' e disponibilidade para a demonstrar. Adicionei-o também, para que outros o possam ler.
Quanto a convencer os que ainda não iniciaram este percurso, é um trabalho em progresso :)

Chegam um pouco atrasados mas não menos sentidos os parabéns pelo teu 1º lugar em Prosa, e 2º em Poesia, na World Art Friends ^^

Um abraço!

Paulo

von brigoi disse...

Por vezes ando ausente de palavras, e elas apenas vagueiam nop meu pensamento, no entanto a vontade é de regressar as palavras e para isso faz-me sempre bem me perder no teu blog.
Bjo
E que a vida nos dê sempre inspiração...

Paula disse...

Poesia de arrepiar os sentidos!

Gostei!
Abraço