terça-feira, 24 de junho de 2008

Pelo menos tentamos


Acabou...quando te disse esta palavra choraste
Os teus olhos de cristal cresceram com as lágrimas luzidias
Encostaste ao chão, tremeste e de raiva gritaste
Gritaste que não me querias ouvir, mas sabias que as palavras não eram frias

Podia-te dizer muitas mentiras tolas (...mas não digo)
Que a culpa era toda minha e não tua (...e é toda minha)
Que ficarei teu amigo (...e tu bem sabes que não fico)
Que teria outro amor (...mas sabes que só a ti te tinha)

Mas só te disse, sem mentir e sem desencanto
Acabou...mas pelo menos tentamos

A paixão foi quente e arrebatadora, rápida e sem demora
Iludiste-te com a sinceridade da minha calma, com a frágil luz da minha alma
Com os meus gestos cuidados e os toques carinhosos
Com a minha voz colocada e os meus suspiros afectuosos

E agora, foi com ela que ouviste, o que te feriu como uma lança maldita
Acabou...mas pelo menos tentamos

Disse-te que tinha cicatrizes tatuadas na minha alma ferida
Que nunca seria teu para ficar, como nunca serei único e meu
E tu aceitaste, na ilusão de me curares e me dares guarida
De curares os meus males e tornares o meu coração o teu

Fizeste tudo e foi bonito, mas sem perdão ouves o clamor do fim
Acabou, mas pelo menos tentamos

3 comentários:

carpekurtdiem disse...

Eu já ouvi isto uma vez e custou muito... Pelo menos tentei...

Anónimo disse...

Eu nao ouvi..nem li. A pessoa simplesmente desapareceu e ate hoje (ja vai ha 2 anos) tenho a minha cabeça cheia de porques, porques e mais porques.

O silencio mata lentamente.

Anónimo disse...

Tentar é a esperança da vida...