domingo, 11 de maio de 2008

Reflexo solitário



Tenho medo...
Olho para mim sem cor e fico desolado e em terror,
Não sou belo nem bonito, olho para o meu rosto e grito,
Quero sair daqui, deste medo... fugir de ti, de mim, saltar do penedo,
Estou feio e vergonhoso, triste e não fogoso...

Tenho medo...
Olho o espelho embaciado, vejo um rosto sujo e carregado,
Um reflexo que me diz, és triste e quiçá infeliz,
Detesto-me sem piedade, sou um derrotado sem verdade,
Apago a luz e choro sozinho, lágrimas tontas que caem no caminho...

Tenho medo...
Um negro manto cai sobre meus ombros,
solidão pesada que me desfaz em escombros,
grito para o espelho que nada responde,
pergunto-lhe o que tão sombrio me esconde...

Tenho medo...
Vejo aquele pateta triste e desolado,
que chora ao ver-se só e em pecado,
geme baixinho com a sua dor,
só quer crescer e encontrar o amor...

Tenho medo de não encontrar o amor
de sozinho olhar sempre o espelho e desesperar na dor...
Tenho medo de um dia acordar
e de sozinho continuar a chorar ao luar.

Publicado em WorldArtFriends

1 comentário:

von brigoi disse...

Acho este texto simplesmente fantástico.
Adorei
Noto uma evolução na sua escrita, ou talvez não tenha sido a escrita a evoluir mas sim o escritor.